Todas as prendas que me deste, um dia,
Guardei-as, meu encanto, quase a medo,
E quando a noite espreita o pôr-do-sol,
Eu vou falar com elas em segredo …
E falo-lhes d’amores e de ilusões,
Choro e rio com elas, mansamente…
Pouco a pouco o perfume do outrora
Flutua em volta delas, docemente …
Pelo copinho de cristal e prata
Bebo uma saudade estranha e vaga,
Uma saudade imensa e infinita
Que, triste, me deslumbra e m’embriaga
O espelho de prata cinzelada,
A doce oferta que eu amava tanto,
Que reflectia outrora tantos risos,
E agora reflecte apenas pranto,
E o colar de pedras preciosas,
De lágrimas e estrelas constelado,
Resumem em seus brilhos o que tenho
De vago e de feliz no meu passado…
Mas de todas as prendas, a mais rara,
Aquela que mals fala à fantasia,
São as folhas daquela rosa branca
Que a meus pés desfolhaste, aquele dia…

[Florbela Espanca]


A agradável sensação de um cheiro bom…

E que perfume…

E quando sinto, me faz voar…

E eu viajo em pensamentos e em recordações felizes.

Um cheiro que nos faz lembrar de coisas boas, sensações agradáveis, pessoas maravilhosas que passaram por nossas vidas e marcaram.

Uma fragrância que marca. Rosas. Pitanga. Notas amadeiradas. Gerânio. Cada flor uma aparência. Cada flor um perfume. Cada essência uma lembrança.

E é o perfume que nos faz viajar… Ao sentir aquele cheirinho de passeio, de terra molhada, de volta no parque, de festa… é dele que vêm as boas lembranças… O abraço, o beijo, o carinho… a paixão… o amor…

Marca e deixa marcas que o tempo não apaga.Instiga a saudade.

Alimenta a alma.

Faz viajar para saturno.

E faz lembrar.

Aguça os sentidos. Perfuma.

E faz viver.

E recordar!





CONTINUE NAVEGANDO: